Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 23 de março de 2016

Ser Pastor É ... Por John Piper

Ser Pastor É... O Que É Ser Pastor!

Na sociedade de hoje, muitas vezes as exigências sobre um pastor ultrapassar o que eles realmente deveriam. O pastor é tradicionalmente "considerado" o responsável por "tudo." 

Ele é o chefe espiritual, administrador, ministro, o presidente de empresa jurídica - 
"Cozinheiro-chefe" e, basicamente, o faz tudo. Em muitas pequenas igrejas, o pastor realiza todos os serviços; de liderar a cantar, fazer a pregação, recepcionar as visitas, aconselhamentos e assuntos espirituais, enquanto ele também tem que cuidar do trabalho de escritório, contabilidade, ou mesmo a limpeza, manutenção ou reparação edifício. 


Em meus anos a viajar por centenas de igrejas, encontrei muitos pastores que exercem alguns dos mais difíceis trabalhos, são versáteis, são as pessoas mais multi-qualificadas que já conheci, sempre estão suprindo a falta de alguém, as necessidades emergenciais da igreja e isso tudo, sem ter pessoal contratado ou alguns voluntários dispostos a fazer essas coisas para eles. Em muitos casos, o pastor tem de fazer muito mais do que ele já foi chamado para ou até mesmo treinado para fazer. 


Isso realmente a forma como deve ser. Idealmente, o pastor deve ser o superintendente espiritual, dedicando sua atenção para as prioridades mais elevadas de oração e ministrando a palavra, enquanto delega a carga de tarefas administrativas, informações e responsabilidades a outros ministros, presbíteros e diáconos. 


O início Apóstolos enfrentou esse mesmo dilema. Eles receberam queixas de que algumas das viúvas da igreja não estavam sendo cuidadas como deveriam. Então, eles selecionaram pessoas qualificadas para delegar essas tarefas (os primeiros diáconos), para que não se ocuparem além do que Deus havia realmente os chamado a fazer e ser, homens de oração e da Palavra. "... Não é razoável que nós deixemos a palavra de Deus para servir às mesas. Portanto, irmãos, escolhei dentre vós sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais encarregaremos deste serviço ; mas vamos dar-nos continuamente à oração e ao ministério da palavra "(Atos 6: 2-4). 


As recompensas de um pastor podem ser muitas. Sem dúvida, não há outra posição no mundo que tem uma honra maior do que ser chamado por Deus para servi-lo. No entanto, é uma vocação de contrastes extremos. Pode ser, por vezes maravilhosa e às vezes terrível no mesmo pacote. Apesar potenciais bênçãos de conduzir as almas a Cristo, o trabalho de pastor é uma das mais difíceis tarefas que existe. 

Alguns dos maiores desafios de um pastor são: 


(1) ser mal interpretado. Para a maior parte, a vida e o ministério de um pastor não é compreendida pelos leigos em geral. Um policial me disse uma vez a mesma coisa sobre os agentes policiais. Ele disse: "O único que realmente entende o que um policial faz é o outro." Eu poderia usar a mesma frase. Ovelhas realmente não tem idéia de como é ser um pastor, só outros pastores o poderiam. O leigo em sua maioria, tem pouca noção do que um pastor é, o que ele realmente faz, as dificuldades que ele lida e assim por diante.

(2) Lidar com a crítica. Como a maioria das outras figuras públicas, um pastor e sua família vivem no olho do público, como um "aquário" onde as pessoas podem vê-los constantemente, muitas vezes vê-las com a crítica e cinismo. Pessoas que entram no ministério deve estar preparado para enfrentar muitas críticas, por vezes, de natureza brutal e cruel. No entanto, todos aqueles que têm aumentado na liderança ou realização conhecem bem a picada de seus críticos. Tem sido dito que "a única maneira de evitar a crítica é" Não diga nada, não fazer nada e ser nada. " 


As pessoas freqüentemente se decepcionam com os pastores, em grande parte devido à falta de compreensão do que os pastores fazem. Raramente uma igreja já tem uma descrição do trabalho escrito para o seu pastor, e se o fazem, geralmente é demasiado vago para o ajudar. E parece que muitos têm uma opinião diferente sobre o que eles acham que o pastor deve fazer. Eles costumam entregar-lhe as chaves da igreja os deixando assumir e cuidar de tudo o que precisa ser feito, sem perceber as centenas de detalhes que tudo aquilo pode vir a exigir dele.


(3) Diante de uma tarefa imensa. Tem sido dito que 80% do trabalho da igreja é feito por 20% das pessoas.Mas quando percebemos que a maioria das igrejas americanas têm menos de 100 pessoas, você pode imaginar que o pastor e sua família muitas vezes tornam-se uma grande parte do que 20%. Como já mencionado, em muitas dessas igrejas, o pastor é frequentemente confrontado com as necessidades de fazer trabalhos que nunca foi treinado para fazer. Para além destas exigências, a sua vida será uma das distrações constantes, recebendo dezenas de telefonemas e cartas por dia, esperando sempre alguma tarefa inesperada, conselho, ou encorajamento daqueles que pedem sua ajuda. O pastor raramente tem tempo suficiente para fazer tudo - o tempo é sempre uma das suas maiores necessidades. 


Lembro-me de estar em casa muitos um pastor, juntando-se com ele em oração com lágrimas para Deus enviar ajudantes, trabalhadores e finanças para levantar a carga pesada sobre ele e sua família. Muitos pastores nunca vão saber o que é ter uma equipe paga, uma igreja totalmente estruturada materialmente, estabilidade financeira,etc. Devemos orar para que voluntários se ofereçam para serem treinados e possam exercer com responsabilidade. Infelizmente, na maioria das igrejas, o pastor carrega fardos mais do que ele deveria suportar, física e emocionalmente. Segundo o pesquisador George Barna, um dos aspectos mais desencorajadores para pastores é a extensa gama de funções que devem cumprir que excedem o seu mix de dons e talentos.¹ 


(4) Resistir Manipulação. Para muitos, isso vai soar inacreditável. Mas o pastor é um alvo frequente de manipulação e controle. Às vezes as pessoas sem querer tentam tirar proveito de um coração disposto de pastor, e fazem pedidos e demandas que começam a dominar sua vida pessoal. E depois há outros que vêem o pastor como um político, tentando pressionar seu favor ou influência para alcançar uma posição, para favorecer a sua opinião, etc. Mas há aqueles que têm um perfil de personalidade difícil, que buscam estar no controle o tempo todo e se eles não conseguem manipular o pastor para que este faça o que eles querem, eles muitas vezes se voltam contra ele e tentam tira-lo da igreja. Um pastor proeminente disse uma vez: "Há um velho ditado sobre pastores: Se eles não podem dominar um homem de Deus, eles vão tentar arruiná-lo." 


Devido a esta ou outras experiências amargas com as pessoas, pastores, por vezes, se distanciam de estreitas relações pessoais. Eles podem até recusar favores ou presentes monetários diretamente das pessoas, a menos que eles sejam dadas anonimamente, uma vez que tais presentes muitas vezes têm amarras que, talvez involuntariamente, o doador, tenda a esperar um tratamento preferencial, reconhecimento ou ter uma "influência especial" no pastor nas decisões. 


(5) Lidar com o conflito emocional. Durante o ministério o pastor terá de enfrentar desafios e conflitos estranhos em suas emoções que ele nunca foi preparado para passar. Este homem singular muito provavelmente entrou no ministério obediente ao seu chamado divino e seu amor pelas pessoas. Mas ele foi provavelmente será surpreendido ao saber que pastoreio de pessoas podem nos levar a uma vida cheia de feridas, dores e decepções. 

Com o começo pastor de suas tarefas pastorais diárias, ele vai começar um passeio de uma montanha-russa emocional.Com cada pessoa que ele aconselha, ora com ele, ele vai experimentar uma ligação momentânea com as suas circunstâncias ou encargos. Durante o curso de um dia ele pode consolar alguém com uma doença terminal, ouvir as queixas triviais, reunir-se com um casal para discutir os problemas de um relacionamento, ou se achar necessário, corrigir alguém por seu estilo de vida pecaminoso. Ele vai passar de uma contrastante situação para outra e em seguida, dentro de um curto período de tempo, ele terá que encontrar uma maneira de restaurar a calma de todas estas preocupações para pregar um sermão encorajador, sentido para a congregação. 


A maioria dos outros que lidam com a crise repetida ou trauma, eventualmente, aprendem a desenvolver a insensibilidade, a fim de lidar com a agitação emocional de seus empregos. Paramédicos, policiais, ou trabalhadores sala de emergência entendam isso muito bem. No entanto, quando um pastor lida com uma variedade diária de urgências semelhantes, ao contrário de outros trabalhadores de emergência, ele não pode afastar seus sentimentos de crise. Ele não pode se permitir tornar um ser insensível para se proteger e impedir que suas emoções o envolvam. É a natureza da sua vocação e seu trabalho para cuidar. Seu rebanho espera que ele seja sensível, uma pessoa de compaixão genuína, para sentir suas dores e partilhar as suas cargas. 


(6) Lidar com a decepção. Além disso, durante seu ministério, ele vai experimentar muitas decepções e tristezas com as pessoas. Muitos vão deixar de fazer o que prometeram e desapontá-lo. Outros vão criticar, julgar, falar contra ele, traí-lo ou até mesmo procurar arruinar ele ou sua família. Alguns vão tentar ganhar a sua amizade por segundas intenções para manipular a sua influência para seu próprio benefício. Muitos que ele ama acabarão por deixar a igreja por algum motivo ... alguns vão afastar-se, outros podem reincidir, tornar-se ofendido, ou simplesmente rejeitar o seu ministério. Dezenas de vezes, ele vai experimentar a perda de membros amados do rebanho através da morte. Muitos, muitas são as feridas de um pastor, que o rebanho nunca realmente entenderá. 


(7) Lidar com os ataques satânicos. O pastor e sua família são alvos de maiores ataques de Satanás. A estratégia do inimigo é muito inteligente. Se ele não pode derrubar o pastor com tentações ou ciladas, ele pode provavelmente buscar atingir aqueles que ele mais ama, em especial sua família. Usar o "ponto fraco" de um líder para derrubá-lo,é uma prática comum do inimigo. Todos os anos, muitos pastores deixam o ministério por causa de problemas familiares, principalmente conjugais. Além disso, de acordo com estatísticas de seguros, os ministros experimentam uma taxa anormalmente elevada de doenças relacionadas ao estresse (tais como úlceras e problemas nervosos), depressão, dificuldades conjugais, conflitos com os seus filhos ou familiares, problemas financeiros, e assim por diante. Para complicar ainda mais, se ele enfrenta tais desafios, alguns vão criticá-lo como um fracasso espiritual. 


(8) A perseverança. Haverá inúmeras tentações para o pastor simplesmente desistir. Ele deve ser uma pessoa de grande fé e oração para superar os muitos desafios - para definir o seu rosto como uma pedra, com determinação inabalável e firmeza. Os leigos nunca vão perceber o preço que um pastor deve pagar para ser seu pastor, ou os sofrimentos que ele irá passar para ministrar as almas dos homens. Jesus, o Grande Pastor era um homem familiarizado com o sofrimento e tristeza, desprezado e rejeitado, e seus sub-pastores e pastores também identificam com estas características. Como é necessário que oremos pelos pastores e encorajá-los, mostrando-lhes amor sem acrescentar nada à sua lista de feridas. 

Do ¹ Hoje Pastores, George Barna, tradução e adaptação de texto por Seiji Kikuti.
Este artigo (CB-30) é do livro, O que as pessoas perguntam sobre a Igreja, de autoria e direitos de autor © por Dr. Dale A. Robbins , 1990-2015, e é uma publicação de Publicações Vitoriosos , Grass Valley, CA - Nashville, TN. Salvo disposição em contrário, todas as referências das escrituras foram retirados de The New King James Bible, © Thomas Nelson Inc., 1982. Você pode baixar este artigo para uso pessoal, desde que você mantenha o crédito ao autor.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Ser Pastor É...QUALIFICAÇÕES

O pastorado tem qualificações mais claras e padrões do que qualquer outra profissão que se possa imaginar. Primeira Timóteo 3: 2-7 e Tito 1: 6-9 dar detalhes sobre esses padrões e qualificações pastorais. Aqui está um resumo:
  • Acima de qualquer suspeita (1 Tim 3:. 2; Tt 1: 6)
  • O marido de uma mulher (1 Tim. 3: 2; Tt 1: 6)
  • Sóbrio (1 Tim. 3: 2; Tt 1: 8)
  • A auto-controlada (1 Tim. 3: 2; Tt 1: 8)
  • Respeitável (1 Tim. 3: 2; Tt 1: 8)
  • Hospitaleiro (1 Tim. 3: 2; Tt 1: 8)
  • Capaz de ensinar (1 Tim. 3: 2)
  • Não seja dado a bebida (1 Tim. 3: 3; Tito 1: 7)
  • Não violento (1 Tim. 3: 3; Tito 1: 7)
  • Gentil (1 Tim. 3: 3)
  • Não briguento (1 Tim. 3: 3)
  • Não seja ganancioso (. 1 Tim 3: 3; Tito 1: 7)
  • Governe bem seu lar (1 Tim. 3: 4; Tito 1: 6)
  • Mantém filhos submissos (1 Tim. 3: 4; Tito 1: 6)
  • Não seja um novo convertido (1 Tim. 3: 6)
  • Bem visto por pessoas de fora (1 Tim. 3: 7)
  • Não arrogante (1 Tim. 3: 6; Tito 1: 7)
  • Não irascível (Tito 1: 7)
  • Um amante do Bem (Tito 1: 8)
  • Santo (Tito 1: 8)
  • Mantém-se firme à Palavra de confiança como ensinado (Tito 1: 9)
Esta lista identifica competências-chave, comportamentos, presentes e traços de caráter que um pastor deve possuir. Atender a essas normas não significa um pastor "chegou" como um cristão. Em vez disso, eles indicam que ele está "chegando". A formação pastoral ainda necessitará de uma formação teológica, experiência de vida, experiência ministerial, etc. 
Notem também que, todas as qualificações relacionam com a santidade. Este é um componente vital para qualquer pastor, porque isso significa que ele tem sido justificada pela graça mediante a fé em Cristo Jesus. Ele é um pecador feitos justos em Cristo. Seu crescimento contínuo em Cristo é um exemplo para a congregação.
Algumas habilidades e até mesmo dons, talentos naturais podem ser interpretadas como um "sinal" de que alguém tenha um chamado Pastoral. Mas temos que ter muito cuidado com isso. O fato de alguém saber falar em público, ter presença de palco, saber usar as palavras e fazer lindas pregações, não tornam esta pessoa um Pastor. Se assim fosse, sairíamos contratando vendedores, locutores e palestrantes de marketing para trabalhar na igreja. Fora os requisitos descritos no esboço acima, tem muito Amor, Fé, Renúncia, Obediência, envolvida nisso. Hoje, muitos querem holofotes, querem aplausos, destaque, querem benefícios, status, uma profissão. Por isso, os que são pastores, devem acatar o conselho de Paulo a Timóteo:"A ninguém imponhas as mãos precipitadamente".            I Tm.5:22
É claro que não posso deixar de mencionar algo também descrito na epístola de Timóteo: "Devem ser considerados merecedores de dobrados honorários, os Pastores/Presbíteros que presidem bem"(I Tm. 5:17); e "O Trabalho é digno de seu salário"(I Tm.5:18) .  Outra: "Não aceite denúncia contra Pastor/Presbítero, senão, exclusivamente sob depoimento de duas ou três testemunhas"(I Tm.5:19)
As qualificações para um pastor servem para 1) honra Cristo, 2) manter um nível de competência dentro de liderança da igreja e 3) proteger a confiança da congregação. Enquanto a "liberdade de expressão" pode não se aplicar ao pastorado, as qualificações do papel proteger a integridade e reputação de uma mensagem maior: a liberdade em Cristo.
Talvez você esteja pensando: "Uau, o pastoreio não é para todos!" Eu acho que o apóstolo Paulo, que escreveu 1 Timóteo e Tito, responderia: "Exatamente."

Ser Pastor É... CUIDAR DE SI MESMO.

A vida neste mundo caído é difícil. A preparação é difícil. A mudança é difícil. É fácil ficar desanimado. É fácil sentir-se oprimido. Mesmo no ministério, é fácil ficar triste, sentir-se frustrado, pensar em desistir. É fácil um pastor sentir-se sozinho. É fácil pensar que ninguém entende o que você está passando. É tentador pensar como Moisés, achando que Deus deve ter errado o endereço, que este chamado poderia ter errado de porta, afinal, as vezes parece que as coisas não andam, não mudam. É fácil olhar por cima do muro e ceder a debilitante inveja, vendo o que Deus está fazendo na igreja vizinha. É fácil deixar de os hábitos espirituais pessoais dos bons e piedosos. É fácil, no final de um longo dia de trabalho ministerial, ser tentado a distrair-se com qualquer prazer temporário que encontra-se dentro do seu alcance. É fácil enganar-se sobre a necessidade de mudar, de crescer em santidade. É fácil no ministério se perder o seu caminho e desistir. Mas é importante que você se lembre que sua vida depois da queda, do abandono, da apostasia, não trará alívio no peso carregado, tranquilidade ou paz. Só o serviço se vai, pois: "Porque os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis" (Romanos 11:29), ou seja, Vai ter que prestar conta do mesmo jeito, sem contar que sua consciência o acusará dia e noite, somado aos ataques do inimigo para te destruir e obstruir seu caminho ao ponto de você não conseguir voltar mais. As vidas escandalizadas e perdidas neste processo com certeza serão creditadas a sua conta. 
É por isso que Deus criou-nos a viver com os outros em comunidade, na Igreja. Quando eu li 1 Pedro 1, estou sempre impressionado pela forma como Deus colocou um chamado ao amor, no final de uma discussão de dificuldades. Como Pedro resume o que Deus está fazendo aqui e agora, ele usa três palavras: ". Sofrem, tristeza e julgamento" Nenhum de nós queremos essas coisas! Mas Pedro nos lembra que estas são ferramentas de lapidação nas mãos de Deus, em uma intenção amorosa de Nosso Redentor sobre a obra que Ele começou em nós. Em seguida, Pedro começa a ensinar como viver de forma produtiva no meio dessas dificuldades. 
Ouça a sua diretiva final: "Purificado as vossas almas pelo Espírito na obediência à verdade, para o amor fraternal, não fingido; amai-vos uns aos outros ardentemente, com coração puro." (1 Pedro 1:22). Pedro está dizendo algo muito poderoso aqui. Deus não está simplesmente nos chamando a suportar o fogo da purificação para a santificação. Ele está nos ordenando a encarnar seu amor pela Igreja, que foi colocada em nossas mãos, por quem Ele deu sua vida. 
A Igreja serve para confortar a pessoa que está desanimada, para fortalecer a pessoa que está fraca, para encorajar a pessoa que perdeu a esperança; para vir junto da pessoa que está sozinha, para orientar a pessoa que se perdeu no caminho, para dar sabedoria a pessoa que perdeu sua sensatez, para dar olhos a pessoa que está cega espiritualmente, e isso inclui a nós Pastores. Sim! Quantos de nós, muitas vezes, não entramos desanimados, abatidos, tristes na igreja para o serviço ministerial e acabamos saindo de lá fortalecidos, revigorados e alegres! 
Ser pastor é mais do que pregar sermões, conceitos, preparar campanhas, fazer a programação dos cultos; é CONHECER A NECESSIDADE DAS OVELHAS E ENTENDER QUE UMA DESTAS NECESSIDADES É SEU BEM-ESTAR, É SUA INTEGRIDADE FÍSICA E ESPIRITUAL, É LEMBRAR QUE SUA SAÚDE ESPIRITUAL AFETA DIRETAMENTE NA VIDA ESPIRITUAL DA IGREJA. É saber que você precisa da Igreja, tanto quanto ela precisa de você! Lembrar que você ocupa um lugar importante na Casa de Deus, que a obra terrena necessita de seu serviço e sua dedicação, mas que sem as condições necessárias, você pode por tudo a perder. E não espere que alguém venha te dizer isso, te valorizar, pois na cabeça de muitos, nós pastores não somos humanos, somos indestrutíveis, infalíveis; sempre estaremos lá quando eles precisarem, como um robô com bateria de carga infinita. São poucas as pessoas que dentro do ministério vão se importar realmente com você pelo cuidado com a Igreja. Alguns vão te bajular, vão parecer se compadecer de você, mas é bem provável que a metade destes tem outros interesses. Desculpe, mas tenho que ser sincero, OVELHAS NÃO FORAM CRIADAS PARA CUIDAR DE PASTORES, PASTORES FORAM ESCOLHIDOS PARA CUIDAREM DE OVELHAS! ELAS VÃO TE DAR LÃ, CARNE, LEITE, ETC. MAS É VOCÊ QUE TEM IR PEGAR, É VOCÊ QUEM TEM QUE DIZER O QUE QUER. NÃO AS CULPE POR ISSO. 
O quero te dizer é que ficar esperando com que alguém vá dizer para você se cuidar, se tratar, melhorar, se fortalecer; é um erro. VOCÊ DEVE SER TÃO RESPONSÁVEL POR SUA VIDA ESPIRITUAL QUANTO É DOS OUTROS. POIS PASTOR QUE NÃO CUIDA DE SI, JÁ ESTÁ REPROVADO PARA CUIDAR DE OUTROS. Não quero ofendê-lo amigo, mas tenho que ser direto com você. Estou escrevendo para seu bem. Você sabe que não está bem, e vai ficar empurrando com a barriga até quando? Qual foi a última vez que você foi passear com a família? Qual último seminário que você participou? Qual último culto que você sentou e ouviu a palavra como um mero ouvinte? Já aprendeu delegar funções? A dizer não? A administrar melhor seu tempo? Aprendeu que não é a quantidade de cultos mas a QUALIDADE dos cultos que fazem a diferença para o rebanho? 
Ei, por favor, tem uma família, uma igreja, um ministério, um chamado sob seus cuidados. Pense: "Pois, de que adianta uma pessoa ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?" Marcos 8:36. Reaja! Existem propriedades as quais você está deixando de lado. eu quero te ajudar. Vim te alertar. Vamos, determine um tempo de mudanças, tudo pode ser diferente daqui por diante, basta você reconhecer o fato que tem muita coisa errada e procurar ajuda. Você tem muito para vivenciar ainda! grandes coisas estão por vir! Acredite!! Deus é contigo!! 
Grande abraço!! 

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Ser Pastor É... Viver Para Deus!

O pastor é único na vida de uma igreja. Ele é o sub-pastor que carrega o fardo da liderança. Alguns pastores se sentem compelidos a agradar as pessoas, mas um pastor sincero é sempre sob a pressão de agradar ao Senhor.
Poucos membros da igreja entendem o intenso desejo do seu pastor em agradar a Deus! Mas pense o quanto os fardos pesam sobre um pastor de Deus! Quantas são as responsabilidades! O pastor tem a responsabilidade de cuidar de si mesmo, sua família e sua igreja!
Robert Murray M'Cheyne era um pastor e pregador escocês no início do século XIX. Ele deu a sua vida ao serviço de Cristo, mas com a idade de vinte e nove anos que ele faleceu em uma epidemia de tifo. Em seu leito de morte, ele disse: "Deus me deu um cavalo e uma mensagem. Eu matei o cavalo e eu já não posso entregar a mensagem. "M'Cheyne sentiu uma tristeza, não pela perda de sua própria vida, mas a perda da oportunidade de pregar o Evangelho. Ele levou um coração de serviço e profundo desejo de ensinar a Palavra de Deus para os outros. Este é o coração de um pastor.
Hoje, os riscos envolvidos com o chamado do pastoral estão aumentando. Estudos têm demonstrado que a maioria dos pastores enfrentam altos níveis de estresse, o trabalho de mais de sessenta horas por semana, e as lutas contra a depressão, desgastes, fadigas... Mas sempre houve riscos vinculados à pregação e o estudo sobre a vida do apóstolo Paulo nos mostra isso.
Mas cada pastor sincero, verdadeiro, estaria disposto a dar a sua vida se isso for significante para cumprir o seu chamado em Deus. Apesar dos riscos, as estatísticas e as expectativas, os pastores desejam agradar a Deus! 
Mas vejamos quais são alguns dos encargos de um pastor enfrenta; o que se passa através do coração e mente de um pastor verdadeiramente chamado por Deus:  
Um amor profundo por A PALAVRA DE DEUS
Um pastor pensa de forma diferente quando lê a Bíblia. O membro médio de uma igreja vai ler a Bíblia devocional. Alguns vão aprofundar a sua leitura com o estudo intenso. Mas o pastor centra sua vida em todo o ministério na Palavra. Se um pastor não gosta de mergulhar nas Escrituras, ele precisa ter seu coração marcado. Uma de suas tarefas é a pregação da Palavra de Deus e a preparação dos sermões.
É por isso que os primeiros diáconos foram chamados em Atos 6. Os apóstolos viram as necessidades das viúvas, mas sabia que não era adequada para se afastar do ministério da oração e da Palavra de conhecer-se a essas necessidades. Eles descobriram que os servos-diáconos-piedosos poderia atender algumas necessidades importantes, enquanto os apóstolos continuaram a sua estudo.
Um pastor estuda a Bíblia como um website. Em cada página são links para outras páginas relacionadas. Curiosidade natural leva o leitor a uma rede de informações sobre qualquer tópico de escolha. Um pastor vai olhar para as Escrituras da mesma forma!  Os versos estão ligados entre si com outros versos! Com uma paixão para a verdade, um pastor seguirá uma cadeia de referências para entender o "conselho de Deus." Pregação é a comunicação, e a Palavra de Deus é a mensagem principal. O cristão comum pode não entender completamente a Bíblia, por isso o trabalho do pastor é explicá-lo.
ORAÇÃO PARA PODER
Um pastor prepara seus sermões por meio de estudo intenso, mas ele sabe que o poder na apresentação vem do Espírito Santo. Se um pastor não consegue orar fervorosamente, ele se afasta de sua maior fonte de poder no ministério!
Deus dá a sua visão para a igreja através do pastor ao longo do tempo em que ele está em oração. É imperativo que um pastor tenha um  tempo estendido para a oração fervorosa.
PREPARAÇÃO CONSTANTE
Junto com a oração contínua e estudo da Bíblia, um pastor está sempre à procura de exemplos de vida nos princípios bíblicos. Ele pode encontrar um “pensamento semente” em uma simples conversa! Mesmo quando ele encontra um estranho em um avião, umas centelhas de verdades podem surgir a partir dessa conversa. Se o pastor está andando com Deus, o Espírito Santo vai lhe dizer: "Use-o para ensinar as pessoas sobre mim."
Jesus estava sempre usando circunstâncias cotidianas para ensinar a verdade. Um dia Jesus colocou uma criança no colo, apenas como alguém que amava as crianças. Mas os discípulos tentaram espantar as crianças mandando-as embora. Eles viram os pequenos como um aborrecimento. Jesus usou esta oportunidade para ensinar aos discípulos sobre a confiança de uma criança. O pastor busca a verdade em pequenos eventos! Tudo é uma ilustração da Palavra de Deus! Ele nunca sabe quando um novo sermão pode vir junto!
Treinar outros
A preparação constante para a pregação é em sua parte central no encargo do pastor para treinar outros. Ele tem um desejo de transferir o conhecimento da Palavra de Deus para a próxima geração. Isso é feito em muitos níveis. Alguns pastores treinam através da escola dominical, alguns treinam equipes de liderança de seu ministério no próprio escritório ou na pregação de cada culto. 
O pastor é responsável pela formação de outros, através de seu ensinamento e exemplo. As pessoas aprendem tanto a partir de um modelo e o mais próximo deles, sem dúvida é o pastor. Grandes ensinos podem levar um contagiante e fervoroso aluno realizar grandes obras em sua vida.
O PESO DAS FINANÇAS
É importante para a igreja para cuidar de seu pastor e sua família, porque ele carrega o fardo financeiro da igreja. Todos os olhos estão voltados para o pastor para liderar financeiramente a obra. Ele sabe que, se as finanças vão mal, ele vai ser aquele que será responsabilizado. A igreja pode contratar contadores e gerentes de negócios para controlar as finanças, mas ninguém sente a pressão, como o pastor. 
Uma das melhores maneiras de uma igreja pode ajudar seu pastor é a de atender às necessidades de sua família. Alguns pastores lutam com suas finanças pessoais e podem tirar proveito da generosidade da igreja, mas a maioria está disposto a dar tudo o que têm para a vida e ministério de finanças. Nas igrejas mais independentes, o pastor é um dos principais doadores. 
Tempo Para ele...
Um pastor quer produzir para o Senhor, desde que ele pode. Ele tem o ônus de ficar fatigado fisicamente, mentalmente e espiritualmente. Houve homens que pregavam com problemas de saúde tremendos, mas um pastor deve manter-se saudável para sua família e igreja.
Tempo com Deus é vital para a saúde espiritual de um pastor. Um pastor nunca quer caminhar para um púlpito sentindo que ele não está certo com o Deus. Ele pode não ter cometido algum pecado perverso, mas ele não quer nada entre ele e Deus. A responsabilidade de pregar é muito grande! Quando ele pisa atrás do púlpito, a congregação pensa: "Traga Jesus para nós! Retire o pão quente que saiu direito do forno!"

Pastores são apenas pessoas, são todos os homens e mulheres de carne e osso, mas eles querem muito a ser preenchidos com o poder de Deus! Muito poucos pastores sentem que estão à altura da tarefa, mas eles têm um desejo sincero de servir fielmente a Deus.
Forte Abraço!  Pr. Seiji Kikuti

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Ser Pastor É... Aconselhamento... rs


É , na vida de um Pastor(a), o aconselhamento é uma área muito importante para a saúde da Igreja. Porém , talvez seja também a mais desgastante para o Pastor(a). Qual Pastor(a) nunca se estressou aconselhando alguém? É ... Não é fácil, mas como dizemos: "Ossos do Ofício" .

Abraços Amados!!!


quinta-feira, 11 de abril de 2013

Ser Pastor É ... Ser Corajoso!

Seja corajoso e não perca sua fé.
Sonhos podem falhar, não porque alguém não o possa receber, mas porque simplesmente desistiu. Você tem que ser corajoso! Em Josué, lemos que Deus dos a ele: " Sê Forte e Corajoso!" E isso repetidas vezes!! Lembre-se que ele estava prestes a tomar posse de uma terra habitada, com fortes exércitos e cidades fortificadas! Muitos desafios, muitas etapas a serem vencidas, muitas barreiras!!
O que ele precisava ouvir naquele momento? "Sê forte e Corajoso! "
Para cada um de nós, de igual forma, temos coisas para tomar posse, conquistas a realizar... Mas em cada avanço que tivermos, haverá sempre impedimentos, barreiras, dificuldades, desafios! Mas nada pode te impedir de prosseguir, avançar, vencer!!! " Sê Forte e Corajoso!"
Desistir não vai apenas te impedir de vencer, mas também de aprender!! Nossa vida cristã é e sempre será repleta de Bênçãos alcançadas dentro das diversidades e dificuldades!! Pois enquanto Deus nos abençoa, Ele também nos acrescenta, ensina, corrige, estrutura, dá crescimento! É um pacote completo!!!
Deus te faz vencedor ao mesmo tempo que te forma vencedor!
Nunca desista!! Persista, insista, acredite, lute!!
"Sê Forte e Corajoso!"

Abraços fraternos!! Pr. Seiji Kikuti

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Ser Pastor É... Estar Insatisfeito Com Os Resultados!

Aprendi como Pastor que Pastor ama, cuida, zela, corrige, ajuda, levanta, abraça ... Ele ora/intercede, jejua, estuda a bíblia para poder ensinar, prega, ensina, doutrina... Ele vê alguém com chamado e o motiva/incentiva, encoraja, transfere experiências, discípula , treina... E mesmo depois de ter evangelizado, discipulado, batizado, doutrinado, ajudado, perdoado varias vezes, se doado por inteiro; ele vê aquela pessoa correndo para o mundo, perdendo a fé , negando Cristo e agindo como um carnal qualquer , ele ainda vai olhar para si, se entristecer e se perguntar : Onde eu errei? 
Aprendi que o que mais nos incomoda não são  lutas diárias , as dificuldades... São os resultados não conquistados mesmo com todo o esforço! 
Afinal, trabalhamos afim de que " Nosso fruto Permaneça" Jo. 15:16


 

terça-feira, 10 de abril de 2012

Ser Pastor É... Ser Alvo de Ataques Constantes!

Já fazem 13 anos que pastoreio e não consigo me lembrar do dia que não fui atacado com palavras que visavam acertar meu coração e machucá-lo. Quer seja de pessoas próximas ou não, o diabo sempre encontra um desapercebido, tomado  por rancor, inveja, ira, falta de temor, ou até falta do que fazer para atacar quem está pastoreando. Sim, as brechas geralmente tem portas diferentes, mas o objetivo é um só: Te Desanimar! 

É claro que isso não acontece só com pastores, mas com líderes e também com qualquer cristão que esteja buscando servir a Cristo e seu Reino. Quem faz desperta em quem não faz uma revolta. Revolta por não fazer ou não poder fazer, ou até por que não quer que ninguém faça. Então, os sentimentos obscuros afloram e a pessoa dá espaço para o mal usar sua língua para arremessar pedras sobre aquele que está a fazer. É claro que atitudes contrárias também existem neste caso, mas as palavras são as mais comuns.

E como os Pastores estão sempre a serviço do Deus, em tempo integral, nossa caraga de ataques é bem mais constante e pesada. 

O diabo sabe que dependendo de nossa condição espiritual, psicológica ou física, estaremos mais ou menos vulneráveis aos ataques. existem horas que tiramos de letra certas "Alfinetadas", mas dependendo da ocasião podemos sair sangrando por uma palavra dada em um momento difícil. 

É claro que é possível que alguém diga algo que nos machuque sem que haja nenhuma ligação com o mal, algo sem pensar, ou ima piadinha "Sem Noção" ; mas não estou falando de exceções, mas sim da regra geral.

Eu, em particular, consigo discernir na maioria das vezes quando é o próprio demônio a falar pela pessoa. consigo vê-lo sorrir após uma investida dura. O Problema é quando não coseguimos identificá-lo. Levamos para o pessoal, e ai; "Bum!"  granada que nos faz passar uma semana tirando estilhaços de palavras de dentro de nossoas mentes e corações.

O pior é que tais situações contrangedoras e ataques deliberados ocorrem dentro da igreja. 90 % em sua maioria, e 70 % após o culto. É claro que o Pastor ou líder que não tem uma esposa convertida dentro de casa vai discordar deste número, mas a minha experiência me levou a estes dados.

Por incrível que pareça, nós Pastores e líderes estamos mais vulneráveis depois do culto que antes dele. Quando estamos nos preparando para o culto, já sabemos por expriência de conversão que vamos enfrentar oposição; logo, estamos "vacinados" contra ataques antes do culto. Estamos mais cautelosos, mais duros, mais atentos... Mas , quando o culto termina, dentro da igreja; e principalmente se o culto foi "Uma Benção" , estamos mais vulneráveis do que nunca. Por quê?

Por que estamos relaxados, aliviados por tudo ter terminado bem, nos estamos de peito aberto, esperando testemunhos, agradecimentos, reconhecimento... Neste momento, o inimigo encontra uma brecha aqui e ali, e lança seus "Dardos inflamados" sobre nós. sei que parece estranho que logo ápós o culto, depois que Deus derramou seu poder sobre a igreja, o pastor ou líder estar vulnerável. Mas é como em uma guerra, o soldado jamais pensaria em ser alvejado depois da guerra ter terminado, dentro da sua tenda, sem sua armadura blindada e desarmado. É isso que ocorre com o Pastor ou líder. Baixamos a guarda e quando percebemos há um punhal cravado no peito.

Esta semana estive em Castro Paraná, participei de uma Campanha aqui em uma Igreja local, foi lindo o trabalho. Participei, e mesmo não sendo o líder do trabalho fui atacado sem piedade. Imagino como deva ter sido para o dirigente da campanha! Quatro dias de campanha, quatro dias de ataques constantes!

Foi isso que me motivou a escrever este post. Não importa o quanto tempo você tenha de Pastorado ou de vida cristã, as palavras machucam e abrem feridas ! Penso em quantos homens de Deus vão dormir chorando após um culto onde Deus salvou, curou e libertou pessoas!!!

Mas graças a Deus que nos enviou o Espírito Santo Consolador para nos ajudar a tratar toda ferida e aliviar toda a dor!! Ainda bem que os pastores sabem onde buscar alívio para sua dor e cura para suas chagas!!
Oração, clamor e leitura da palavra, o Espírito de Deus; o conforto em Cristo; e lá novamente se prepara o guerreiro para mais um culto abençoado, mais um dia de serviço no Senhor!  

Um dia teremos descanso de toda obra nesta terra. Até lá irmãos, suportemos com fé e corramos a carreira que nos foi proposta! Vai valer a pena!! 

" Todas as lutas e dificuldades posso suportar estando em Deus que me fortalece"    
Filipenses 4:13

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Ser Pastor É... Louvar a Deus!!

Olá Irmãos em Cristo! A Paz!!

Depois de muito trabalho no Japão, dentro da comunidade, ajudando vítimas do tsunami e tantas outras coisas mais , que fazem parte da vida ministerial, estou agora no Brasil por um tempo e Deus me deu a oportunidade de gravar um Cd , que é uma promessa antiga na minha vida, e que agora é uma realidade!

Peço aos meus irmãos e amigos aqui do Blogger para me ajudarem na divulgação deste trabalho. O cd está pronto oficialmente nas primeiras semanas de janeiro. Conto com vocês !! Um grande abraço à todos!


Paz !!!!


quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Ser Pastor É ... Não Desistir!

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo instituto de pesquisas “Lifeway Research” identificou que Pastores são propensos a sentirem desânimo e solidão, apesar de sentirem-se privilegiados por exercerem a função.

A pesquisa foi realizada com 1000 pastores nos Estados Unidos, e 55% dos entrevistados afirmaram que exercer a função de pastor às vezes é solitário e desanimador. Porém, a pesquisa identificou que mesmo os desanimados, não abririam mão do pastorado: 98% dos entrevistados acreditam serem privilegiados por poderem exercer seus ministérios, contra 0,5% que não se sentem privilegiados.

Segundo o site “The Christian Post”, o vice-presidente do instituto LifeWay, Ed Stetzer afirmou que “há desânimo e solidão, mas quando 98% concordam que é um privilégio ser um pastor, nós também sabemos que há uma grande honra ser um pastor. Muitas estatísticas falam de pastores que se sentem miseráveis e infelizes, mas na verdade não é isso que vemos quando perguntamos a eles”.

O relatório da pesquisa, segundo colaboradores do instituto, aponta que os pastores de igrejas maiores são os mais propensos a se sentirem solitários e desanimados. “Ironicamente, pastores de igrejas maiores são mais solitários. Daqueles em congregações com frequência média de 250 membros ou mais, 17% discordam que o ministério pastoral às vezes o faça se sentir solitário. Em comparação, 32% dos pastores que lideram igrejas que possuem entre 0-49 membros discordam de sentirem-se sós”.

A idade parece influenciar bastante nesse sentimento. Segundo o Lifeway, os pastores com mais de 65 anos são os que menos se desanimam. 30% dos pastores com 65 anos ou mais afirmam que dificilmente se desanimam com o ministério, enquanto que apenas 19% dos pastores com idades entre 55-64 pensem dessa forma. Quanto mais novo o Pastor, maior a chance de estar desanimado, pois 13% dos entrevistados com idades entre 45-54 e 11% com idades entre 18-44 afirmaram que dificilmente se desanimariam.

O estudo aponta ainda que os mais velhos também são os que menos sentem-se só por causa do ministério. Segundo o relatório, 39% dos pastores com mais de 65 anos discordam que a opção por ser pastor o tenha feito mais solitário. O número cai para 29% dos entrevistados com quando a faixa etária cai para entre 55 e 64 anos, e despenca para 21% entre os pastores com idades entre 45 e 54 anos e 19% para os pastores com idades entre 18 e 44.

Stetzer afirma que o desânimo e solidão podem ser resultado de frustrações. Segundo ele, “líderes e voluntários são influenciados por uma mentalidade consumista cristã, e ferem todos os envolvidos. Os pastores precisam de menos clientes e muito mais colaboradores”. Stetzer afirma ainda que apesar de felizes por serem pastores, os ministros notam que exercer o pastorado tem um custo alto: “Pastores se sentem privilegiados, mas claramente a realidade do serviço constante pode cobrar caro. Há desânimo e solidão no ministério. Parece que quanto maior a igreja mais presente a solidão”.

A maioria dos pastores afirmou não enxergar que suas escolhas tenham efeitos negativos sobre suas famílias. Stetzer, que também foi Pastor, afirma que apesar da exposição, os efeitos positivos são maiores: “O pastorado pode ser estressante para uma família, mas ao contrário de algumas estatísticas, a maioria dos pastores não acredita que ser um pastor tem prejudicado a sua família. Pastoreio é difícil, e vida familiar é um aquário, mas exagerar o desafio e os perigos de pastorear pode desencorajar os pastores e criar uma expectativa de interrupção da família – levando a esse problema”.

Sobre a solidão, Stetzer afirma que é importante conservar as amizades: “Relacionamentos são importantes e parece que os pastores valorizam aquelas amizades – particularmente à medida que envelhecem. Pastores mais velhos e pastores mais jovens com sabedoria, que desenvolveram amizades mais próximas dentro de sua igreja, são menos propensos a serem desencorajados ou solitários. Esta combinação de trabalho espelha estudos que têm mostrado que mais amizades no trabalho correspondem com maior satisfação com o trabalho e com a vida de uma pessoa”.

Fonte: Gospel+

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Ser Pastor é Ser Amigo e precisar de Amigos!

O Ciclo Vicioso
Muitos pastores são esperados para realizar uma variedade de funções para as quais nem sempre são preparados para
 lidar com  tudo, desde a preparação do sermão da administração, ou aconselhamento pessoal.
Os inevitáveis ​​erros e fraquezas causadas por estas expectativas podem levar à insegurança, fazendo com que um pastor se sinta fracassado.
Frustração começa a crescer, provocando mais erros e, finalmente, "burnout". É um ciclo vicioso!
Quando um pastor é pego neste ciclo, é quase impossível para ele enxergar objetivamente a situação.
Ele precisa de um amigo compreensivo para ajudá-lo ver sua "fraqueza".E levá-lo a ver que Deus criou limitações - não deficiências ou falhas.


Dar até Doer
A tendência natural da maioria dos pastores é dar generosamente de seu tempo e energia.
Muitos bons homens são incapazes de estabelecer limites para si e, eventualmente, acabam não tendo mais nada para dar.O poço seca.
Infelizmente, muito poucos pastores "mentores" tem amigos pastores que o ajudem.
Somado ao fato de que a maioria das congregações não reconhecem ou entendem essa situação, raramente há alguém disponível para uma conversa de
"Pastor para Pastor".


A Necessidade de Ventilar
Muitos pastores têm dificuldade em lidar com seus próprios sentimentos internos.
Eles sabem muito bem que eles não são perfeitos, mas devido à natureza do seu "trabalho" estão sob grande pressão e não vão colocar sua situação à frente
do seu trabalho. Nós pastores na maioria das vezes não vemos nossas particularidades como prioridades. O resultado disso é que deixamos as coisas como estão
nos levando a uma situação cada vez mais difícil. O pior é quando não reconhecemos a necessidade de ajuda.
Negar os sentimentos de inadequação ou até mesmo medo, faz com que a pressão interna aumente, muitas vezes levando a problemas mais sérios.
Muitos pastores tem simplesmente a necessidade de expressar seus sentimentos internos para alguém em que possa confiar.
Eles precisam de "ventilar" , se abrir com alguém sem medo de ser censurado.


Ser pastor é reconhecer que não somos super-homens,
Ser pastor é reconhecer que precisamos de ajuda,
Ser pastor é ser ajudado e ajudar quando outro pastor necessitar...
Ser pastor é ser amigo e precisar de amigos!